terça-feira, 24 de abril de 2012

SÁTIRA POLÍTICA


PADRE NOSSO DO IMPOSTO
Autor: Leandro Gomes de Barros


Nunca se viu tanto imposto
Num país como esse nosso
Cobra-se até de quem reza
Padre Nosso.

Nos falta calçado e roupa
Quem compra mais um chapéu?
Acode-nos, pai da pobreza
            Que estás no céu.

Olhe que o pobre matuto
Que vê o milho encostado,
Não pode guardar nem um dia
            Santificado.

Carne fresca e toucinho
O pobre matuto não come,
Ainda que, o que ele implore
            Seja o vosso nome.

Meu Deus! Temos esperança
Só no socorro de vós,
Fazei que um bom inverno
            Venha a nós.

De rato, lagarta e formiga
Vos pedimos, defendei-nos
Imploramos todos os dias
            Ao vosso reino.

Livrai-nos que contra nós
Caia a ira do prefeito
E o mercado da cidade
            Seja feito.

Fazei que caia o imposto
Da municipalidade
Mas, queira Deus eles façam
            A vossa vontade.

O estado  nos oprime,
O município faz guerra,
Nunca se viu tanto imposto
            Assim na terra.

Queixa-se o povo em geral
Que vive como tetéu
E o governo vive aqui
            Como no céu...

Os deputados da Câmara
Conservam-se com grande “roço”
Por terem por honorários
            O pão nosso.

Quando querem nossos votos
Nos tratam com cortesia
Os impostos aumentando
            De cada dia.

O dinheiro do tesouro
Some-se como quem foge,
A fortuna dos prefeitos
            Nos dai hoje!

Destes impostos d’agora
Por caridade livrai-nos
As censuras que fizemos
            Perdoai-nos.

Não temos mais o que fazer
As cousas vão tão insípidas!
Que não podemos pagar
            As nossas dívidas.

Impostos por toda forma
O governo nos traz atroz
Deus queira que ele fique
            Assim como nós.

O procurador nos cobra
Nós tão pobres nos vexamos
Mas quando ele nos deve
            O perdoamos.

Os do governo se unem
Fazem como vós, com os vossos.
É preciso que vós auxilies
            Aos nossos.

O governo nunca deu
Ouvido aos nossos clamores
Aceita queixas dos nossos
            Devedores.

Por qualquer coisa nos multam
Só para nos perseguir
Nas unhas desses tiranos
            Não nos deixeis cair.

O preço baixo da farinha
Nos faz grande confusão
Faz o agricultor cair
            Em tentação.

Escutai nossos clamores
Nas aflições amparai-nos
E desses fiscais carniceiros
Livrai-nos.

Seja vós o protetor
Que nos sirva de fanal
Defendei-nos dos impostos
            E do mal.

Permiti que o inverno
Venha cedo e chova bem
Livrai-nos de todas as multas
            Amém.

Ofereço esse Padre-Nosso
Aos prefeitos do Estado,
Para que nas eleições
Cada um seja votado,
Adiante o município
E cada qual fique arrumado.

5 comentários:

  1. Poeta, este recurso, que funde o sagrado ao profano, foi usado fartamente por membros da Maçonaria contra a Igreja católica, no século XIX, conforme atesta Gustavo Barroso.

    Leandro, sem ser um demiurgo, como muitos, infelizmente creem, mas sendo um gênio, soube reaproveitar o modelo e, servindo-se do chicote da sátira, mostrou que, além de um grande poeta, era um grande cidadão.

    ResponderExcluir
  2. É isso mesmo, Marco. Leandro foi educado por um latinista, seu tio Padre Vicente Xavier de Farias, irmão de sua mãe Adelaide. Sebastião Nunes Batista aventa a possibilidade do CANCÃO DE FOGO ser uma espécie de alter-ego do poeta. No caso do Cancão, seu principal perseguidor é justamente o seu tio, irmão de sua mãe:

    E era irmão da mãe dele
    Essa fera inconsciente
    Só odiava a Cancão
    Por ser ele inteligente
    E os filhos desse monstro
    Brutos, degraçadamente.

    Sim, o Padre Vicente tinha filhos... com uma parenta de Chagas Baptista. Vem daí a aversão de Leandro pelo clero, mas de modo algum podemos afirmar que o poeta - autor de Pedro Cem, A órfã, História de João da Cruz etc fosse ateu.

    ARIEVALDO VIANA

    ResponderExcluir
  3. EMBOLADOR CHATINHO2 de maio de 2012 18:15

    Demiurgo?!...

    ResponderExcluir
  4. Eis uma definição para a palavra DEMIURGO, meu caro EMBOLADOR CHATINHO. Creio que Marco Haurelio refere-se ao fato de que Demiurgo às vezes é confundido como uma divindade do mal:

    "1. Demiurgo

    Enviado por Hélio (SP) em 31-08-2008

    Artífice ou criador, divindade responsável pela criação do universo físico, segundo os gnósticos. Em trabalhos de Platão, cerca de 360ac, é uma divindade ou força criativa que deu forma ao mundo material. Já no Gnosticismo, uma divindade subordinada à Divindade Suprema, algumas vezes considerada como o criador do mal outras vezes um ser imperfeito que criou o mundo material e que impede as almas humanas de voltarem a se integrar a Dinvidade única no Pleroma."

    ResponderExcluir
  5. Na verdade o grande poeta Marco Haurélio teceu belo trocadilho, já que demiurgo em alguns cartapácios tem a acepção associada a gênio, daqueles de Aladim... ficou elegante esse jogo de conotações. O embolador esteve atento...

    ResponderExcluir