quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Pregações de Frei Mané Mago


FREI MANÉ MAGO E A ‘SANTA’ INQUISIÇÃO DE CURITIBA

Charge de Gervásio (gentilmente cedida pelo autor)

(ONDE COMPARA PALOCCI A GALILEU E PAPILLON)

“Não deis aos cães o que é santo, nem lanceis ante os porcos as vossas pérolas, para que não as pisem com os pés e, voltando-se, vos dilacerem.” (Mt 7. 6)

Frei Mané Mago meditava sob um pé de jucá, do qual pretendia extrair madeira para um cajado (pau de dar em doido), quando viu aproximar-se um alvoroçado Fariseu, completamente doutrinado pela mídia. O néscio chegou proclamando em altos brados o conteúdo da delação de Antônio Palocci. O velho asceta baixou o capuz de seu hábito e permaneceu ensimesmado, sem dar atenção à predica profana do dito fariseu, mas este, não se contendo, puxou-lhe pela manga de suas vestes e repetiu novamente a ladainha que lhe fora ensinada por William Bonner.
Frei Mané Mago, que não esperava tamanha ousadia, não pôde se conter e o rebateu deste modo:
— Oh, miserável COXINHA, quem vos consentiu tamanha ousadia? Tu que és feito de massa de manobra e recheado de carne de pato amarelo, não tendes respeito pelo próximo?
E dando as costas ao importuno, começou a instruir os seus discípulos desse modo:
— Quem tiver ouvidos que ouça. E quem possuir conta no facebook, e souber de minha prédica através das redes sociais, leia estas palavras até o fim e tire as suas próprias conclusões... Se algum de vós já lestes “O Grande Inquisidor”, texto do imortal Fiódor Dostoievski, deve saber perfeitamente que tipo de gente infesta o Sinédrio de Curitiba. Lembrai-vos do que dizia Frei Zé Ramalho da Paraíba “Em seus papiros, Papillon já me dizia, que nas torturas toda carne se trai”. Existe tortura mais cruel que a tortura psicológica?
Ora, meus amigos, se até o sábio Galilei Galileu curvou-se perante o "Santo Ofício', humilhou-se perante à "Santa Inquisição" para se livrar da fogueira, o que dizer do ex-ministro Antônio Palocci perante o Sinédrio de Curitiba?
Imaginem o seu estado emocional, preso, confinado, humilhado, aviltado, pressionado e tentado pela promessa de ser premiado com a redução da pena e ainda ganhar, de lambugem uma caixa de BATOM GAROTO. Diariamente ele ouvia o mantra - ENTREGUE O LULA, COMPRE BATOM, COMPRE BATOM, COMPRE BATOM... DELATE O LULA, QUE SERÁ BOM, QUE SERÁ BOM, QUE SERÁ BOM. É preciso que o cara tenha sangue no olho. É preciso que tenha a fibra dos SETE IRMÃOS MACABEUS de que nos fala o ANTIGO TESTAMENTO para aguentar tanta pressão sem ceder.

* * *


Galileu frente ao tribunal da inquisição romana, pintura de Cristiano Banti

E, pondo-se de pé, sacudiu o pó da manga de seu hábito, onde o fariseu o havia tocado. Então, elevando o tom de voz, concluiu a sua prédica dessa maneira:
— COXAS & MORTADELAS, antes de fazerem os vossos julgamentos, se ponham no lugar do PALOCCI, assim como os Macabeus estiveram sugigados diante do Rei Antíoco. Melhor dizendo, ponham-se no lugar de Barrabás perante o Sinédrio de Jerusalém. Para se salvar, Barrabás sabia perfeitamente que alguém teria que PAGAR O PATO em seu lugar.
Frei Cancão de Fogo do Amor Divino, que havia registrado seu discurso num pergaminho estampado na tela de um tablet, perguntou ao mestre se poderia postá-lo na internet.
O mestre assentiu, porém preveniu os seus discípulos assim dizendo:
— Vigiai, irmãos. Se algum COXA amigo, que você ainda não baniu do seu círculo de amizades nas redes sociais por motivo de consideração, postar uma asneira qualquer e cairdes em tentação, ou seja, se cometerdes a estultícia de rebater, sabei desde já que uma matilha de COXAS e SOBRECOXAS cairá ferozmente sobre ti, uivando e ganindo como uma horda de lobos esfaimados, dispostos a estraçalhar-vos e comer o teu fígado. Portanto, caríssimos, orai e vigiai, pois não sabeis o dia e nem a hora que um COXA poderá vos atacar.  Frei Xexéu de Bananeira, um inspirado repentista que acompanhava atentamente as pregações de Frei Mané Mago, percebeu que já era quase meia-noite e para não ser molestado pelos Fariseus compôs esse martelo agalopado:

— Se um COXINHA por acaso me insultar
E contar ter por certo uma medalha
Não encara o meu cavalo de batalha
O seu estro não pode prosperar
A espada do meu verso há de brilhar
Tudo aquilo que a impede eu esfacelo
Canto o brilho, canto o bravo e canto o belo
Sou poeta sem jamais sair da linha
Porém verso, tortuoso de COXINHA
Meia noite só respondo em MARTELO.


(Dos velhos manuscritos de Frei Cancão de Fogo do Amor Divino)

terça-feira, 5 de setembro de 2017

O BAÚ NA IMPRENSA

LANÇAMENTO DO LIVRO "O BAÚ DA GAIATICE"

Há 18 anos (maio de 1999) fizemos o lançamento do livro O BAÚ DA GAIATICE no Pirata Bar da Praia de Iracema, com show do humorista Hiran Delmar e presença maciça dos amigos. O livro já está na terceira edição, totalizando uma tiragem de 5 mil exemplares.


Matéria de capa no tablóide HOJE, que circulava em Fortaleza.

CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIAR

O BAU DA GAITICE
3ª Edição / Editora Assaré
Crônicas e poesia popular
220 páginas

PEDIDOS: acordacordel@hotmail.com