sábado, 21 de maio de 2011

INFLUÊNCIAS IBÉRICAS

PRESENÇA DE AUTORES ERUDITOS
DE PORTUGAL E ESPANHA NA
LITERATURA DE CORDEL*

Arievaldo Viana

História da Donzela Teodora, cordel de
Leandro Gomes de Barros editado por
João Martins de Athayde

Têm-se a errônea impressão de que os poetas populares são pessoas semi-analfabetas e de pouca incursão pelo campo literário.  Esse equívoco foi reforçado, de certo modo, pela figura brilhante de Antônio Gonçalves da Silva, o popular Patativa do Assaré, um poeta roceiro, que escrevia seus poemas na linguagem rude própria dos sertanejos. É bom que se esclareça que Patativa também compôs sonetos na linguagem convencional e era leitor assíduo de Camões, Castro Alves, Gonçalves Dias e outros poetas eruditos. Um analfabeto jamais teria condições de produzir uma obra com a qualidade de seus escritos, aparentemente simples, mas de grande profundidade filosófica. Outra questão que deve ser trazida à luz refere-se aos poetas Leandro Gomes de Barros, Silvino Pirauá de Lima, João Martins de Athayde, João Melchíades Ferreira, José Galdino da Silva Duda, José Camelo de Melo e Francisco das Chagas Batista, considerados os grandes mestres da Literatura de Cordel. Todos tinham uma razoável formação intelectual, sendo que este último era dono de livraria e editora na capital da Paraíba. Manoel D’Almeida Filho, Manoel Camilo dos Santos e Joaquim Batista de Sena, poetas da segunda geração, também primavam pela correção ortográfica e eram dados a leituras eruditas. Batista de Sena chegou a confessar ao pesquisador José Vidal Santos, que havia lido todos os verbetes do Dicionário de Aurélio Buarque de Hollanda, com o intuito de melhorar seu vocabulário e empregar corretamente as palavras em seus poemas. Cantadores contemporâneos como Ivanildo Vilanova, Geraldo Amâncio e Oliveira de Panelas possuem, igualmente, uma grande bagagem cultural. O mesmo pode-se dizer de vários cordelistas da atualidade, dentre os quais destacaríamos Marco Haurélio, Gonçalo Ferreira, Manoel Monteiro, Rouxinol do Rinaré, dentre outros.
Uma prova evidente de que os mestres da poesia popular possuíam grande intimidade com as letras está na quantidade de folhetos e romances baseados em clássicos da literatura mundial, como “As mil e uma noites”, “Romeu e Julieta”, “Decamerão” e, evidentemente, o Antigo Testamento.
Mas, já que o tema central de nossa palestra são as influências ibéricas na poesia popular nordestina, passaremos a enumerar agora algumas obras literárias de Portugal e Espanha que serviram de inspiração para os nossos trovadores:

O drama O RICO AVARENTO da autoria do poeta português Bento Teixeira (Porto, 1560 – 1618) foi adaptado para Literatura de Cordel pelo paraibano Belarmino Nunes de França.
A obra PEDRO SEM, QUE JÁ TEVE E AGORA NÃO TEM, da autoria de Luís Antônio Bergain (natural de Havre, 1812) foi transformado em “HISTÓRIA DE PEDRO CEM” por  Leandro Gomes de Barros e posteriormente por Apolônio  Alves dos Santos.
O romance AMOR DE PERDIÇÃO, do grande escritor português Camilo Castelo Branco (Lisboa, 1825-1890) possui versão em cordel atribuída a João Martins de Athayde. Camilo escreveu também “A Vida de José do Telhado”.  Os poetas populares Antônio Teodoro dos Santos e Rodolfo Coelho Cavalcante utilizaram o personagem Zé do Telhado em folhetos de sua autoria.
O romancista espanhol Henrique Pérez Escrich escreveu a obra O MÁRTYR DO GÓLGOTHA, da qual possuímos uma edição de 1891, impressa em Porto e traduzida por J. Cruzeiro Seixas. Este romance teve grande aceitação em todo o Nordeste brasileiro e gozou de grande popularidade junto aos cantadores do passado. Era, ao lado do livro de Carlos Magno e do Lunário Perpétuo, leitura obrigatória para os poetas que cantavam “ciência” no passado.  Serviu também de fonte de inspiração para diversos poetas como Severino Borges da Silva, Manoel Pereira Sobrinho, Maria Batista Neves Pimentel e Francisco das Chagas Batista, todos paraibanos. Existem dois folhetos com o título O JUDEU ERRANTE, um de Manoel Pereira Sobrinho, outro de Severino Borges da Silva, que são claramente influenciados pela narrativa de “O Mártyr do Gólgotha”. Chagas Batista escreveu a HISTÓRIA DE DIMAS, O BOM LADRÃO, que também denota influências da referida obra. Já Maria das Neves Batista Pimentel escreveu O VIOLINO DO DIABO, inspirado em romance do mesmo nome, da autoria do citado Pérez Escrich.

Joaquim Batista de Sena, paraibano de Solânea, escreveu o poema AS SETE ESPADAS DE DORES DE MARIA SANTÍSSIMA claramente inspirado no romance de Pérez Escrich, notadamente na passagem que relata o encontro da Sagrada Família com Dimas, o bom ladrão, nos desertos das Judéia:

Inspirai-me ó Virgem Pia
Mãe de Deus, mãe amorosa
Para em poema versar
A coroa dolorosa
E ver se colho uma lágrima
Da pessoa impiedosa.

Quem subir o pensamento
Vai do Gólgota observando
Jesus pregado na cruz
A sua vida ultimando
Maria ao pé do lenho
Seus tormentos contemplando.

Os tormentos de Jesus
São os mesmos de Maria
Quando furavam seu filho
O seu coração feria
Ele sofria no corpo
Ela na alma sofria.

E não foi só no Calvário
Aquelas lágrimas sentidas
Mas toda a sua existência
Foi de dores comovidas
Era uma sobre a outra
Como ondas embravecidas.

A primeira dor foi quando
Jesus Cristo foi à pia
Que o velho Simeão
Tomou ele de Maria
E com a profetisa Ana
Declarou-lhe a profecia:

- Senhora, esse vosso filho,
Disse o velho Simeão
Será para vós motivo
De lágrimas, dor e paixão
E por ele, sete espadas
Transpassam o teu coração.

(...)

A segunda dor foi quando
Veio um anjo lhe avisar
Que fugisse para o Egito
E deixasse o seu lugar
Que Herodes o perseguia
Para o menino matar.

(...)

Numa noite tenebrosa
De relâmpagos e trovões
Seguia a Virgem chorando
São José em orações
Caíram em cerco de Dimas
Com o coito de ladrões.

São José amedrontado
Estacou naquele canto
A Virgem escondeu o filho
por debaixo do seu manto
Pensando ser os judeus
Pra matar seu filho santo.

São José pediu a eles
Por Jeová, Deus divino,
Que mal vos fez essa mãe
Com esse pobre menino,
Para banhar nosso sangue
Nesse punhal assassino?

Com a maior piedade
Falou Dimas, bom ladrão,
Nenhum desses meus capangas
Te tocará com a mão
E levou-os ao seu castelo
Comovido em compaixão.

Seguindo a mesma linha adotada pelos grandes mestres da Literatura de Cordel, desenvolvi e apresentei ao público (do Congresso Internacional de Professores da Língua Espanhola) um trabalho de nossa autoria denominado “A FORÇA DO SANGUE”, um cordel de 32 páginas baseado numa novela exemplar de Miguel de Cervantes, do qual apresentamos algumas estrofes:

Para o leitor que aprecia
Um bom romance rimado
Leia agora este episódio,
Há muito tempo passado.
Em Toledo, na Espanha,
Por Cervantes foi narrado.

Em Novelas Exemplares
Se encontra essa história
Eu a li quando criança
E ainda trago na memória
Narra um grande sofrimento
Com final cheio de glória

Um cidadão de Toledo
Retornava com a família
De um passeio vespertino
Por uma sinuosa trilha
Com a  mulher, um menino
E também sua linda filha.

(...)

* Esse texto é um fragmento da palestra “Influências Ibéricas na Literatura de Cordel”, que proferi em 2002 num congresso de professores de língua espanhola, realizado em Fortaleza-CE.

Enrique Pérez Escrich, escritor
espanhol de sucesso no final do século XIX

Sexta edição brasileira de "O martyr do Gólgotha"

Um comentário:

  1. Admiro muito seu trabalho, sou de MG, e amo cordel!

    ResponderExcluir