sábado, 18 de junho de 2011

LEI MARIA DA PENHA



É impossível encontrar com o poeta Crispiniano Neto, ex-Secretário de Cultura do Rio Grande do Norte e não colher uma novidade. Principalmente no campo da poesia popular. Ontem, no aniversário da nossa amiga Lucinda Albuquerque, dona da Editora IMEPH, Crispiniano recitou-me esta pérola, de um cantador potiguar, cujo nome não consegui reter na memória. Ainda bem que não esqueci dos versos:


Mulher braba igual a minha
No mundo não há quem tenha
Ontem mesmo quis bater-me
Com uma tora de lenha
E eu me calei... com medo
Da Lei Maria da Penha!


É poeta ou não é, um peste desses?

Crispiniano está escrevendo um trabalho sobre a Lei Maria da Penha na Literatura de Cordel. Disse-me que já conseguiu reunir mais de 20 folhetos sobre o tema, a maioria aplaudindo os efeitos da dita lei, e alguns, lógico, distoando do côro dos contentes. O meu amigo Tião Simpatia lançou até um DVD enaltecendo essa Lei que pune a violência doméstica onde a mulher é sempre a vítima desprotegida. Cabra que bate em mulher tem que ser punido nos rigores da lei, ora se não!

Que isto não sirva de ofensa para as mulheres, mas voltemos ao coro dos descontentes: É o caso dessa obra da dupla Bentevi e Curió, que, imagino, deve ser uma dupla de emboladores de coco: Consequencias desastrosas da Lei Maria da Penha. O que ressalto aqui é o bom humor da poesia, longe de julgar se é ou não politicamente correta. Afinal de contas a dupla de poetas já começa afirmando em seu poema o velho bordão: "Em mulher não se bate nem com uma flor"... Nos dias de hoje, onde o politicamente correto é quem dá as cartas até poetar de maneira irreverente tornou-se uma atividade perigosa.
Mas, deixemos de lenga-lenga e vamos ver alguns trechos do referido poema:


O poeta sempre foi
Da mulher um defensor
Traça rimas, pensa trovas,
Canta sempre em seu louvor
E afirma com seu mister
Dizendo que na mulher
Não se bate nem com flor.


Poeta clássico ou matuto
MPB ou Romântico
Sempre elogia a mulher
Na poesia ou no cântico
Já dizia o Caetano:
- Com mulher eu não me engano
Isso é um produto quântico!


Porém o Roberto Carlos
Diz e ninguém acredita
Que a grande paixão do homem
Não tem medida nem fita,
Não se fala em quantidade,
O negócio é a qualidade,
Que tinha a Maria Rita.


Os nossos antepassados
Não casavam por amor
Os pais olhando os cifrões
Só pensavam no valor,
De algum doutor togado
De médico ou advogado
Deputado ou senador.


Vovó era astuciosa
Mas era mulher sensata
Pois temia a duas coisas
Ao marido e a barata.
A mulher sem temer nada
Se torna descontrolada
Doida, agressiva e ingrata.


O homem temente a Deus
Nunca pratica heresia
Mulher que teme ao marido
Nunca comete anarquia
Lava roupa, cria os filhos,
Se o homem sair dos trilhos
Não condena a bigamia.


Porém surgiu uma lei
Na qual a mulher se empenha
Fez cavalo de batalha
Pinta, borda e até desenha
Pois em nome do progresso
Foi votada no Congresso
A Lei Maria da Penha.


(...)

O certo é que antigamente
No tempos dos meus avós
A mulher não amarrava
E nem desatava nós...
Andava sempre na linha
Dormia com a galinha
Acordava com os socós.



Uma vaca disse ao touro
Tô cansada da ordenha
Você tem vinte e três vacas
Copula, cobre e emprenha,
Depois não dá um real
Porquê não tem no curral
A Lei Maria da Penha.


O touro então respondeu
Criatura, isso é um erro,
Já dizia um pecuarista
Lá na Fazenda Desterro:
- É isso que elas querem,
Triste do boi se fizerem
A Lei Maria Bezerro.


A galinha disse ao galo
Meu velho, eu estou cansada,
Pois toda mulher que erra
E fica mal-afamada
O povo chama: “galinha”
Meu Deus, que sorte mesquinha
Ando muito injuriada.


E o galo respondeu:
- Que asneira disseste tu
Já dizia um galo velho
Que morou no Iguatu
Meus jovens, se agüentem
Tomara que não inventem
Lei Maria Sobrecu!


A Lei Maria da Penha
Não trouxe uma solução
A mulher ficou afoita
Querendo mais confusão
E o cabra revoltado
Quando está embriagado
Finca o pé e mete a mão.

5 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. As leis promulgadas ultimamente no Brasil se equiparam às margens de rio: só quebram para dentro. Sou profundamente contra agressões físicas ou morais à mulher. Mas, para equidade de direitos, deveria ser criada tb uma lei "Maria da Penha" em favor dos homens. Há muito marmanjo por aí humilhado diariamente por mulheres. Querem ver, prestem atenção no que diz o cantador Louro Branco:

    "Minha mulher, inda hoje,
    Começou fazendo briga.
    Encontrou minha carteira
    Toda amarrada de liga
    E, dentro dela, retrato
    De mais de dez rapar..."

    ResponderExcluir
  3. Dizem que a lei ampara ambos os sexos, mas na pratica a coisa não funciona assim. O cabra que apanha da patroa não vai pra delegacia se queixar, até porque o próprio delegado vai tirar um sarro com a cara dele e dizer:
    - Ô bicho mole!
    Endoscopia, exame da próstata e Lei Maria da Penha para homem é a mesma coisa. Para bons entendedores meia pala...

    ResponderExcluir
  4. Parabéns aos poetas,
    Até mesmo na brincadeira, entendem que a lei não veio para atrapalhar o homem e sim, para a ele também proteger e esclarecer. Homem sem esclarecimento pensa que bater em mulher resolve as questões... Vamos defender mulheres, homens, crianças e idosos. E vamos versejar... Abrços,
    Rosário Pinto.

    ResponderExcluir